Jueves, 12 de noviembre de 2009

Branca de Neve


                Sentada no vão duma janela, uma rainha bordava no seu bastidor. E ao fazê-lo espetou a agulha num dedo e cairam três gotas de sange no chão muito branco. Como eran muito belasa quelas três gotas manchas vermelhas no  meio da brancura, a rainha pensou:

                - Gostava de ter uma filha que tivesse a pele tão branca como a neve, as faces tão vermelhas como o sange, os cabelhos e os olhos negros como o ébano de que feita esta janela.

                Algum tempo depos a rainha teve uma filha muito bonita. E, tal, como tinha desejada, era branca como a neve, vrmelha como o sange, os cabelhos e os olhos negros como ébano. Devido a tudo isto puseram-lhe o nome de Branca de Neve.

                A mãe morreu quando ela nasceu, e ainda não tinha pasado un ano quando o rei se tornou a casar com outra princesa. Era uma mulher muio Formosa, mas tão orgulhosa que nãopodia admitir que existisse outra mulher mais linda do que ela. Tinha um espelho mágico, e quando se punha em frente dele para se olhar, preguntava-lhe:

 

Diz-me, bom espelho

diz-me por favor:

Quem é a mais bela

que existe no reino?

 

E o espelho respondia-lhe:

rainha adorada,

digo-vos eu,

a mulher mais bela,

hoje em dia sois vós.

 

      E ela ficava muito descansada, porque sabia que o espelhinho não era capaz de mentir.

 

                Sucedeu que a Formosa Branca de Neve crescia sempre, e quando completou os quinze anos era tal a sua beleza que traspassava em muito a da rainha, sua madrasta. A rainha em sequer reparava nela, e por isso ficou muito surpreendida certo dia  quando preguntou ao espelho:

 

Diz-me, bom espelho

diz-me por favor:

Quem é a mais bela

que existe no reino?

 

E o espelho respondou-lhe:

a mina rainha é Formosa,

a rainha é bonita,

mais do que ela

é-o Branca de Neve

 

                Não se pode explicar a fúria que a invadiu ao ouvir tal resposta. A partir daquele momento, quando se encontraba com Branca de Neve, o caração saltava-lhe no peito com a inveja e o ódio. Um dia chamou um dos caçadores e disse-lhe.

                - Agarra em Branca de Neve, leva-a para o bosque e mata-a. Como prova de que cumpriste o que te ordeno vais arrancar-lhe o coração e traer-mo.

                Obedeceu o caçador a ordem tão cruel e, quando, de punhal na mão, se preparava para a matar, Branca de Neve, aterrorizada, ajolhou-se em frente dele a chorar:

                - Ai, meu bon caçador! Se não me matares e me perdoares a vida vivirei sempre no bosque e que nunca mais voltarei ao palacio.

 E, como era tão evidente a su ador, o caçador teve compaixão dela e disse-lhe:

                - Esconde-te no bosque e que nunca penses em voltar ao palacio porque a rainha nos mataria aos dois.

                De si para si pensou que as feras devorarían a menina e, embora este pensamento lhe desagradasse um pouco, como no fundo era bom, sentiu o coração aliviado de un grande peso por nã a ter morto.








Saludos


Tags: Branca de Neve, portugués, cuento, conto, Blancanieves

Comentarios

Añadir un comentario

Autor: Invitado
Fecha: S?bado, 30 de enero de 2010
Hora: 12:40

Flashlindo lindo jajajjajajajjajajajajajajaNocheNocheNocheNocheNoche
Creative Commons License
Hexágono Literario by Hexágono Literario is licensed under a Creative Commons Reconocimiento-No comercial-Sin obras derivadas 2.5 España License. Leer mi libro de visitas Firmar el libro de visitas